Carta aberta a um não mais amor.

Agora estamos na nossa milésima discussão que começou por conta de um surto seu, você está mal e só me diz coisas ruins…

Mas eu, eu já me desprendi de tudo isso, estou leve. Assisto aos seus ataques como que quem vê um filme mudo sem prestar atenção, não tem sons, nem cores e já não tem contexto. É triste dizer, mas eu estou com você agora por todos aqueles momentos bons que tivemos, pelos sorrisos e as palavras sussurradas, porém, somente como uma pessoa que vem ao auxílio e que não deseja ficar.

Para mim, deu.

Cansei de, como diriam as célebres frases do Facebook, tratar como Big-Mac quem me trata como pão com ovo. Demorei a dar ouvidos a todos que estão a minha volta e acompanham esta historia mal fadada, ainda bem que a hora chegou.

E dada esta hora, nada melhor do que sermos francos. Eu posso ser a pessoa “com quem não se discute”, como você diz e aliás é algo que só você acha, mas saiba que eu saio desta relação com aquele sentimento de trabalho cumprido, porque tudo que estava ao meu alcance foi feito. Só é difícil manter sozinha uma relação com um homem de 22 anos de idade que age como se tivesse 12.

Eu desejo sinceramente que você não tenha outra namorada, não por ciúmes ou algo do tipo, não estou em condições de fazer showzinho por conta de ex, não fiz nem para o primeiro, não vai ser para você que vou fazer. E olha que o primeiro era para casar, mas era um daqueles combos dois por um, leve o boy e ganhe a sogra… Enfim, não desejo isso por ter dó de quem se sujeite a tal posto.

Não me leve a mal, gosto de você, te acho legal e todas estas coisas, só que enquanto a Terra não parar de orbitar você, ou se você não sair do centro do Universo, a questão fica complicada. E eu não desejo para ninguém o que eu passei, não quero que as pessoas fiquem com pena de mim, quero que você entenda que desse jeito, ficar perto de você amorosamente vai ser sempre um fardo.

Pois, eu nunca conheci nenhuma mulher que gostasse de ser deixada o final de semana inteiro sozinha ou mesmo que gostasse de que os únicos passeios fossem com os amigos do namorado. Além de todas aquelas outras questões como, apesar de ter 22 anos, não tem carteira de motorista (!!!), é contra exercer um trabalho regular (como o resto da população que não quer ficar dependendo dos pais) e que quando questionado sobre isso fica irritado dizendo que quero mudar o seu jeito de ser.

Não, eu não quero. Já lavei minhas mãos.

Se não for para fazer algo a respeito, por favor, pare com esta historinha de que queria me ver, me levar aos lugares, comprar coisas novas e até mesmo dizer que queria sair de casa. Você vive tomado pela conveniência, por conseguir tudo na vida fácil. E como alguém que quer o seu bem, eu digo: nada que é importante na vida, vem fácil. Se você quer mesmo conseguir essas coisas, comece a pedalar! Aprenda que com exceção de cocô de passarinhos e aeronaves, nada na vida cai do céu sem explicação. E se você não quiser ser o velho solteirão que vive com mãe, vai precisar fazer uma reforma na sua vida.

Tente namorar um dos seus amigos, acho que seria mais fácil para você e aposto que ia gostar :)

E é com pouco pesar que eu te digo que acabou, sem voltas. Obrigada pela experiência. Boa sorte nos planos futuros, tente não traumatizar mais ninguém, mantenha o foco e espero que a vida te amadureça um pouco.

De alguém que só quer o seu bem.

-I.M